FICAMOS ALEGRES COM SUA VISITA

ESPERAMOS, QUE COM A GRAÇA SANTIFICANTE DO ESPIRITO SANTO, E COM O DERRAMAR DE SEU AMOR, POSSAMOS ATRAVÉS DESTE HUMILDE CANAL SER VEÍCULO DA PALAVRA E DO AMOR DE DEUS, NÃO IMPORTA SE ES GREGO, ROMANO OU JUDEU A NOSSA PEDRA FUNDAMENTAL CHAMA-SE CRISTO JESUS E TODOS SOMOS TIJOLOS PARA EDIFICACÃO DESTA IGREJA QUE FAZ O SEU EXODO PARA O CÉU. PAZ E BEM

AGRADECIMENTO

AGRADECEMOS AOS NOSSOS IRMÃOS E LEITORES, POR MAIS ESTE OBJETIVO ATINGIDO, É A PALAVRA DE CRISTO SEMEADA EM MILHARES DE CORAÇÕES. PAZ E BEM

terça-feira, 26 de agosto de 2008

SER COMO AGUIA


No mundo inteiro, a águia é símbolo de nobreza. Pela sua força, alteza e vigor, ela desponta-se como campeão indiscutível deste símbolo de grandeza. A águia é forte, viva, corajosa, vencedora, símbolo daqueles que esperam no Senhor. O povo de Deus é como a águia. É um povo forte. É um povo guerreiro. É um povo que triunfa sobre as tempestades. É um povo vencedor. É um povo que não retrocede diante das dificuldades da vida, não teme o perigo, nem se intimida com as ameaças do diabo. É um povo que marcha altaneiramente, segundo as leis do céu, rompendo barreiras, vencendo grilhões, conquistando as alturas, e refugiando-se no Deus Todo-poderoso.

É preocupante, entretanto, perceber que existem, hoje, muitos cristãos vivendo um projeto diferente de vida. Ao contrario da águia, são tímidos, fracos, impotentes, dominados pelo medo.


É lamentável constatar como tantos cristãos vivem dominados pelo complexo de inferioridade, esmagados pela prejudicada auto-estima, com a auto-imagem achatada. São pessoas que vivem amargando e curtindo um profundo sentimento de auto-repúdio e desvalor. Esses olham para dentro de si mesmos e enxergam-se com lentes embaçadas e olhos míopes, tendo de si mesmos os conceitos mais distorcidos e descalibrados.

O caminho da águia é no céu (Pv.30:19). Ela não foi criada para viver arrastando-se nos vales da vida e nas depressões da terra. Deus a criou para as alturas. Com base nesse fato, destaco 3 lições da mais alta importância para sua reflexão.

1- A águia voa alto. Ela tem vocação para as alturas, ela é a rainha do espaço, ela não é como inhambu que vive levando tiro na asa, presa fácil dos caçadores porque só voa baixo. Há muitas pessoas que vivem também num plano muito inferior, voando baixo demais e sofrendo ataques de todos os lados porque não saem das zonas de perigo, vivem pisando em terreno minado, com os pés no território do adversário.

2- A águia voa cada vez mais alto. Ela tem uma característica muito interessante. Quando ela faz seu segundo vôo ele é mais alto do que o primeiro. Quando ela faz o seu terceiro vôo, ele é mais alto do que o segundo, ela sempre se esforça para voar cada vez mais alto, com isso ela tem uma lição muito profunda a nos ensinar, Se os que confiam no Senhor são como a águia, então nós não precisamos ter uma vida de altos e baixos. A muitos cristãos que são instáveis demais. Sua fé oscila como a onda do mar. Não se firmam, não crescem, não amadurecem, são reincidentes em repetidas quedas.

3- A águia voa acima da tempestade. A águia ainda nos encima uma terceira lição: sempre que divisa no horizonte a chegada de uma ameaçadora tempestade, sempre que vê as nuvens escuras e os relâmpagos riscando o céu, sempre que ouve o ribombar dos trovões, ela agiganta ainda mais os seus esforços e voa com intrepidez para as grandes alturas, pairando acima da tempestade, onde sobrevoa em perfeita bonança, temos também, em nossa jornada muitas tempestades. Muitas delas são ameaçadoras e perigosa é insensatez viver abaixo e sofrer os efeitos catastróficos da tempestade. O segredo na hora da crise é voar um pouco mais alto e agasalharmos debaixo das assas do Deus uni potente. Ele é a nossa torre de libertação. Ele é o nosso auto-refugio. Ele é o nosso esconderijo seguro, ele é o nosso abrigo no temporal.

4 - A águia é transparente, ela tem uma capacidade fantástica de voar em linha reta como uma fecha, como um projétil. Seu vôo não é em círculo, nem sinuoso. Que lição isto nos comunica ? Os que esperam no Senhor precisam também voar em linha reta, ou seja, precisam ser transparentes e íntegros. A vida do cristão não pode ter sinuosidades, não pode ter nada escondido e secreto, o cristão é filho da luz e deve viver na luz, sem máscaras e sem disfarces, nossa palavra precisa ser sim, sim; não, não.

5- Em círculo não, para frente. A águia voa reto porque tem um alvo definido. Ela sabe de onde veio e para onde vai. Ela não vive sem rumo, sem referencial, sem destino certo. Ela voa para frente. Não esta perdida existencialmente. Não vive estagnada como a preguiça. Não anda para trás como o caranguejo. Revela no seu vôo desenvolvimento, progresso, crescimento, avanço. A pessoas que diferentemente da águia, são como o urubu. O vôo do urubu não é em linha reta, mas em círculo. Ele voa para lugar nenhum, ele voa sem Avançar para frente, sem progredir.

6- Visão integral. A águia tem a capacidade de enxergar em todas as direções, por todos os ângulos em todas as perspectivas. Ela enxerga para frente, dos lados e, com pequeno esforço da cabeça, também enxerga para trás. Ela enxerga num raio de 360 graus. Sua visão é global. Ela vê tudo, percebe os detalhes e toma sempre a melhor direção, quando a bíblia diz que somos como águia, ela tem algo a nos ensinar quanto a esta matéria. Os que esperam no Senhor precisam ter uma visão abrangente e dilatada das coisas. O cristão não pode ser uma pessoa bitolada, de mente estreita. Ele não pode apenas enxergar seu micro universo como se estivesse olhando para um tubo.

7- Pleno discernimento. A visão é um dos prodígios mais fantásticos da criação. Nosso olho é mais complexo do que a mais intricada invenção humana. O olho é um dos órgãos mais extraordinários do corpo. Segundo o famoso oftalmologista John Wilson, temos mais de 60 milhões de fios duplos encapados em cada olho. Nosso olho é infinitamente mais sofisticado que a mais modernas câmaras de imagens que o homem já inventou. Uma das coisas mais interessantes que temos em nossa visão é a capacidade de, num quadro geral, focar um ponto especifico, concentrando nossa atenção nele, sem perder a imagem global do cenário.

8- Precisamos ter uma clara visão do alto. A águia é a única ave que pode mirar o sol de frente sem ficar deslumbrada.Deus quer que os seus filhos vejam o que os outros não podem ver.

9- Liberdade sim, cativeiro não. A águia é uma ave que ama a liberdade. Ela tem intimidade com as alturas. Não sabe viver em cativeiro. Não consegue viver em gaiolas. Não sobrevive enjauladas em zoológicos. Ela morre mas não fica cativa, ela não aceita outra condição para sua vida se não a liberdade. Nós também fomos chamados para a liberdade. Para a liberdade foi que Deus nos libertou (Gl. 5:17).

10- Os cristãos não podem viver cativo com medo do diabo. Ha cristão que vivem roendo as unhas, tremendo, assustados, com medo do diabo. Sentem-se acuados. Perde a alegria da comunhão com Deus de tanta preocupação que tem com o diabo.

11- O cristão não pode viver cativo da omissão. Há cristãos que são agentes secretos de Jesus. Não se identificam como embaixadores do reino. Sua vida é tão insípida, tão inexpressiva que ninguém nota que eles são de Jesus, se é que são. Vivem calados, quando se trata de falar de Jesus. São destemidos para falar de futebol. São ágeis para discursar sobre a moda. Conversam com desenvoltura sobre os filmes de sucesso mas não abrem a boca para falar de Jesus, são omissos, estão cativos! A Igreja de Deus não pode ser um exército de mudos.

12- Fidelidade, base de casamento feliz. A águia tem uma característica muito interessante. Ela não é como as outras aves na área do acasalamento. As aves domésticas não observam a lei da relação restrita. Apenas um galo, por exemplo, cobre dezenas de galinhas. O comportamento da águia é diferente, ela observa o principio da fidelidade ao seu parceiro. Cremos que este é um dos mais importantes princípios para o homem em todos os tempos, a fidelidade conjugal é a base de todo casamento estável e feliz.

13- Quebrantamento e renovação. Uma das características mais interessantes da águia é sua renovação. Davi expressou esta idéia no Salmo 103:5 “ .... Deus, é quem farta de bens a tua velhice, de sorte que a tua mocidade se renova como a da águia” . Como se dá esse processo? A águia, quando começa a sentir que suas penas estão ficando velhas e enferrujadas, quando começa perceber que o seu bico já não está tão afiado e forte; quando descobre que suas garras já estão enfraquecendo, toma uma medida drástica, quase traumática para sair deste quadro desolador. O que ela faz ? A primeira coisa que a águia faz é interromper as suas atividades, ela não prossegue o seu trabalho, seus vôos, sua casa, suas aventuras, fecha sua agenda e cancela os compromissos. Há momentos em que a melhor ação é ficar parado. Nem sempre é prudente avançar, Deus não está interessado em ativismo. Ele está mais interessado no que somos do que naquilo que fazemos, trabalho sem vida é infrutífero. Ativismo sem santidade não agrada o coração de Deus, precisamos aprender com a águia. A segunda coisa que a águia faz é isolar-se nos altos dos penhascos, a águia é uma ave solitária, ela não voa em bandos, sobretudo, quando está nesse processo de alta renovação, ela alça um vôo altaneiro, galga as alturas mas excelsas e refugia-se no cume dos mais altos penhascos. Ali ela fica sozinha, isolada enfrentando a sua própria realidade. A terceira coisa que a águia faz é arrancar suas penas velhas, a águia ao chegar ao cume do penhasco, começa arrancar com o bico uma, uma de suas penas. Não poupa a si mesma dessa dor intensa, as penas são todas arrancadas, seu corpo vai ficando desfigurado, a medida que ela aplica os seus golpes severos, sua medida é drástica, sua postura radical. Não há restauração, sem reforma antes de edificar e construir, é preciso derrubar e demolir, antes da renovação vem o despojamento, antes do avivamento vem o quebrantamento. A águia depois que acaba de arrancar todas as penas, fica num estado deplorável, seu corpo parece mutilado. Sua aparência fica desfigurada, contudo, depois de alguns dias, começam a nascer penas novas, lindas e fortes, ela se remoça. Tudo se faz novo. Ela ganha uma nova aparência.

14- A quarta coisa que a águia faz é esfregar o seu bico na rocha. A águia não arranca não as penas velhas, mas quando percebe que o seu bico já está ficando fraco, impotente e cheio de crosta, ela o esfrega fortemente na rocha; esfrega-o, esfrega-o, até ficar em sangue vivo, após este processo doloroso ela fica totalmente desfigurada, mas dias depois, cresce um bico novo forte como aço.

15- A quinta coisa que a águia faz é bater suas garras na rocha. Nesse processo de alto renovação quando percebe que as suas garras estão fracas e impotentes, a águia bate as com força sobre a rocha, várias vezes até que aquela camada envelhecida e calosa seja arrancada, ficando em carne viva. Ela fica toda ensangüentada, sobre o flagelo de dores crudelíssimas. Todavia, após este processo de autoflagelação e quebrantamento, as garras começam a brotar com toda pujança e vigor, fortes como o ferro. Agora remoçada, revitalizada, ela desce das alturas para dar continuidade a sua vida e as suas atividades.

16- Meus filhos, meus discípulos. Uma das características mais interessantes da águia é o seu cuidado com os seus filhotes, certamente devemos olhar para a águia e aprender com ela como devemos cuidar da família, a águia não põe o ninho dos seus filhos perto dos predadores em lugares baixos e perigosos. A águia não espõe seus filhos as bestas feras, ela não os deixa e, lugares vuneráveis. Pelo contrário, ela só faz o seu ninho no alto dos rochedos, no cume dos penhascos.Ela é zelosa em colocar o ninho dos seus filhos nas alturas.

17- A águia voeja sobre os seus filhos. “ Como a águia desperta a sua ninhada e voeja sobre os seus filhotes, estende as suas asas, e, tomando-os, os leva sobre elas...” Dt. 32:11. Quando os filhotes da águia já estão grandes, na hora de sair do ninho, a águia então, começa a voejar sobre o ninho mostrando-lhe como sair.

18- A águia tira a maciez do ninho e só deixa os espinhos. Quando a águia percebe que é hora de seus filhotes voarem e ainda assim eles continuam acomodados no ninho, a despeito de seu exemplo, ela decide remover do ninho toda a cobertura macia e deixa apenas os espinhos e os gravetos pontiagudos. Ela gera um desconforto para os filhos. Ela não deixa de amá-los por isso, mas prefere vê-los incomodados a ficarem acomodados no ninho. O conforto do ninho significa agora estagnação, imaturidade, inoperância e atrofiamento. A águia não hesita em aplicar esta lição aos filhos, ainda que uma lição dolorosa. Ela só não admite ver os filhos deitados em berço esplêndido, quando o mundo lá fora os espera para uma ação dinâmica e urgente.

19- A águia tira os filhos do ninho. É estonteante constatar que, mesmo afligidos com espinhos e alfinetados por farpas pontiagudas, os filhotes da águia ainda teimam em continuar no ninho.Esta mesma realidade é vista na Igreja hoje. Muitas vezes, Deus, ao ver o comodismo da igreja, envia sobre ela perseguição, remove dela todo conforto, deixa-a sobre um tapete eivado de espinhos para que ela se desinstale de seu comodismo. Foi assim que Deus fez em Jerusalém. O avivamento estava em pleno vigor, multidões se convertiam. Mas a igreja estava restrita a Jerusalém. O plano de Deus era que a igreja ultrapassasse aquela fronteira e fosse até os confins da terra.
Postar um comentário