Atalho do Facebook

FICAMOS ALEGRES COM SUA VISITA

ESPERAMOS, QUE COM A GRAÇA SANTIFICANTE DO ESPIRITO SANTO, E COM O DERRAMAR DE SEU AMOR, POSSAMOS ATRAVÉS DESTE HUMILDE CANAL SER VEÍCULO DA PALAVRA E DO AMOR DE DEUS, NÃO IMPORTA SE ES GREGO, ROMANO OU JUDEU A NOSSA PEDRA FUNDAMENTAL CHAMA-SE CRISTO JESUS E TODOS SOMOS TIJOLOS PARA EDIFICACÃO DESTA IGREJA QUE FAZ O SEU EXODO PARA O CÉU. PAZ E BEM

AGRADECIMENTO

AGRADECEMOS AOS NOSSOS IRMÃOS E LEITORES, POR MAIS ESTE OBJETIVO ATINGIDO, É A PALAVRA DE CRISTO SEMEADA EM MILHARES DE CORAÇÕES. PAZ E BEM

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Sucesso ou fracasso? É você que escolhe.....


“Os céus e a terra tomo, hoje, por testemunhas contra ti, que te propus a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolhe, pois, a vida, para que vivas, tu e a tua descendência, amando o Senhor, teu Deus, dando ouvidos à sua voz e apegando-te a ele; pois disto depende a tua vida e a tua longevidade”. (Deuteronômio 30,19). A vida de qualquer pessoa depende, exclusivamente, das escolhas que ela faz. Nosso sucesso ou fracasso está diretamente ligado às escolhas que fazemos. Se as fizermos acertadamente, alcançaremos o pódio como vencedores. Mas se as escolhas forem infelizes, também é certo que amargaremos a derrota. Nossa vida espiritual também depende, exclusivamente, de nossas escolhas. É certo que o pecado está a nossa frente, mas somos nós que decidimos cometê-lo ou não. A escolha é nossa. Se eu pecar, pecarei por decisão própria. Posso até ter sido induzido a tal, mas terei escolhido aceitar a indução. E, é claro, sofrerei as consequências. Escolha! Essa pequena palavra pode levar o homem do inferno ao céu ou do céu ao inferno num piscar de olhos. Escolher bem é o anseio de todos, mas por que nem sempre escolhemos bem? Por que, frequentemente, optamos pela escolha errada? Talvez a escolha não venha a agradar seu pai ou sua mãe, sua mulher, a seus filhos ou seus colegas, mas você sempre terá de pautar suas escolhas na Palavra de Deus. Nossas escolhas exercem influência sobre nossa família. Quando escolhemos corretamente, Deus honra nossa escolha. As escolhas dos pais sempre exercem influência em todos dentro de casa. E se você fizer uma escolha carnal, uma escolha que não glorifica a Deus, isso trará uma influência negativa sobre seus filhos. Porém, quando você faz a escolha certa, todos são beneficiados. Quando você declara: “Na minha casa todos nós vamos à igreja, na minha casa todos serviremos ao Senhor”, seus filhos começam a ir com você. Pode até acontecer de, nas primeiras vezes, eles irem chateados. Podem até ir à igreja emburrados, mas dentro de pouco tempo, eles amarão estar na casa do Senhor. “Todo aquele, pois, que ouve estas minhas palavras e as pratica será comparado a um homem prudente que edificou sua casa sobre a rocha; e caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram com ímpeto contra aquela casa, que não caiu, porque fora edificada sobre a rocha. E todo aquele que ouve estas minhas palavras e não as pratica será comparado a um homem insensato que edificou a sua casa sobre a areia; e caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram com ímpeto contra aquela casa, e ela desabou, sendo grande a sua ruína”. (Mateus 7,24-27). Salomão fez uma escolha muito importante quando tomou posse do reinado no lugar de seu pai Davi. E quando ele orou suplicando a Deus, fez um pedido muito singular: “Dá, pois, ao teu servo um coração compreensivo para julgar o teu povo, para que prudentemente discirna entre o bem e o mal” (1Reis 3,9). Salomão pediu a Deus apenas uma coisa: que lhe concedesse sabedoria para escolher e para julgar. E o que Deus lhe concedeu? Sabedoria. Tudo é uma questão de escolha. Este é o tempo de Deus para você. Esta é a hora de Deus para o seu coração. Escolha andar de mãos dadas com o Senhor e na presença dele. “Vê que proponho, hoje, a vida e o bem, a morte e o mal; se guardares o mandamento que hoje te ordeno, que ames o Senhor, teu Deus, andes nos seus caminhos, e guardes os seus mandamentos, e os seus estatutos, e os seus juízos, então, viverás e te multiplicarás, e o Senhor, teu Deus, te abençoará na terra à qual passas para possuí-la”. (Deuteronômio 30,15). Paz e bem

Aquieta teu coração porque no Senhor há descanso..


Não deixe que as inquietações do tempo presente tirem seu foco do que é realmente importante Você já percebeu que, quando ficamos inquietos por alguma coisa, não conseguimos pensar em mais nada? Pois é, deixamos aquela preocupação tomar conta do que somos, e por incrível que pareça, ela se alastra, tomando conta do nosso tempo. Tempo que perdemos ao qual poderíamos estar nos dedicando às coisas de Deus. Em Filipenses, Paulo escreveu claramente: “Não estejais inquietos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica, com ação de graças”, ele está dizendo que não devemos deixar as inquietações do tempo presente nos tirar do foco, porque tudo que nos tira do foco nos afasta da presença de Deus, e tudo que se torna mais importante que Deus é idolatria. Paulo nos aconselha a tornar tudo conhecido pelo Senhor através de nossas orações. Pois, quando deixamos Deus a par de tudo que está acontecendo – mesmo que Ele já saiba, sempre prefere ouvir de nós, para assim agir–, nosso coração encontra descanso, e nossa alma, antes aflita e preocupada, passa a descansar no Senhor. É assim que demonstramos nossa fé e confiança nAquele que pode fazer o que o homem não faz, e faz infinitamente mais do que possamos pedir a Ele. “Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal.” (Mateus 6,34) Paz e bem

A hospitalidade é sobre os outros, não sobre você....


Entretenimento e hospitalidade podem parecer semelhantes, mas são duas coisas completamente diferentes Alguns anos atrás, toda vez que eu entrava em um frenesi de limpeza, meus filhos perguntavam: “quem está vindo?”. Eles perguntavam isso porque eu só limpava assim quando eu ia receber alguma visita. Eu pegava algumas meias perdidas ou limpava um balcão, mas quando alguma pessoa ia chegar, eu mudava completamente meu comportamento em relação à limpeza. Claro, o resultado direto disso é que eu nunca convidava as pessoas no último minuto, e eu certamente não abria minha porta e convidava um amigo para um café ou para o jantar quando eles vinham para dizer oi. Ou eu abria e saia para conversar, fechando a porta atrás de mim, esperando que eles não percebessem as pilhas de roupa e as crianças bagunceiras que estavam atrás. Mas se você tivesse me perguntado se eu praticava hospitalidade, eu teria dito que sim. Afinal, fiz refeições elaboradas para os hóspedes, cuidadosamente acompanhadas com vinho! Coloquei as melhores louças e a melhor toalha de mesa e ofereci dois tipos de sobremesas e café depois do jantar! E eu sempre me certificava de que a casa inteira, até o chuveiro, estivesse impecável antes que os hóspedes chegassem. O que poderia ser mais hospitaleiro do que isso? Qualquer coisa. Esse tipo de preparação não é hospitalidade, é entretenimento. E os dois podem parecer semelhantes, mas como este artigo da Gospel Coalition me lembrou, a hospitalidade e o entretenimento são duas coisas completamente diferentes. Entretenimento foca a atenção em si mesmo A hospitalidade envolve a configuração de uma mesa que faz com que todos se sintam confortáveis. Ela escolhe um menu que permite você ficar e conversar com os hóspedes em vez de ficar acorrentado ao fogão. Ela torna as coisas agradáveis, mas não sente a necessidade de ocultar evidências da vida cotidiana. Às vezes, senta para jantar com farinha no cabelo. Permite que a reunião seja moldada pela qualidade da conversa ao invés da qualidade da comida. A hospitalidade mostra interesse nos pensamentos, sentimentos, sonhos e preferências de seus convidados. É bom fazer perguntas e ouvir atentamente as respostas. A hospitalidade concentra a atenção sobre os outros. Aprendi a diferença passando mais tempo nas casas de outras pessoas. Aprendi que havia pessoas cujas casas parecem sempre prontas para o entretenimento, porque é assim que elas mantêm suas casas. Aprendi que há pessoas cujas casas se parecem mais com a minha, porém elas não deixam que os brinquedos e as cestas de roupa suja impeçam um café com alguém inesperado. E eu aprendi que a hospitalidade não está apresentando um rosto perfeito para que as pessoas pensem bem de você – está convidando uma pessoa para entrar em sua casa porque você gosta dela. Nós fazemos as tarefas domésticas aos sábados agora. Meus filhos não perguntam se alguém está chegando quando limpamos a casa, porque tentamos manter a casa limpa para nós mesmos. Às vezes a vida fica louca e isso reflete na casa, mas eu tento não me desculpar por isso quando alguém chega. Eu os convido para entrar, limpo um espaço na mesa, faço um café e aproveito a companhia. Às vezes eu até deixo as pessoas usarem o banheiro – e como a hospitalidade caminha nos dois sentidos, ninguém comentou sobre o grau de limpeza da área de banho. Fonte: Aleteia