Atalho do Facebook

FICAMOS ALEGRES COM SUA VISITA

ESPERAMOS, QUE COM A GRAÇA SANTIFICANTE DO ESPIRITO SANTO, E COM O DERRAMAR DE SEU AMOR, POSSAMOS ATRAVÉS DESTE HUMILDE CANAL SER VEÍCULO DA PALAVRA E DO AMOR DE DEUS, NÃO IMPORTA SE ES GREGO, ROMANO OU JUDEU A NOSSA PEDRA FUNDAMENTAL CHAMA-SE CRISTO JESUS E TODOS SOMOS TIJOLOS PARA EDIFICACÃO DESTA IGREJA QUE FAZ O SEU EXODO PARA O CÉU. PAZ E BEM

AGRADECIMENTO

AGRADECEMOS AOS NOSSOS IRMÃOS E LEITORES, POR MAIS ESTE OBJETIVO ATINGIDO, É A PALAVRA DE CRISTO SEMEADA EM MILHARES DE CORAÇÕES. PAZ E BEM

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Nossa fidelidade ao Deus da vida não se mede por tempo de oração , mas sim pela pratica de sua Palavra.


‘’Vivemos uma época, pelo qual muitos acreditam num evangelho semelhante a patinar, sempre rápido, por uma fina camada de gelo, porque, como não dispõe de profundidade e solidez, caso permaneça, ali, e tente se enraizar, fatalmente, aquela fina camada ruirá e o levará a um vazio de significado e sentido. ‘’ Somos a geração sobre a influência das leis do mercado, de tudo se resumir ao modo como devemos ser avaliados e aprovados, numa espécie de sistema de consumo e reconhecimento. Sem sombra de dúvida, embora tenhamos todo um arsenal de benefícios de uma vida, ao qual deveria nos proporcionar amplas vias de equilíbrio, de justiça, de prioridade as relações humanas, como uma máxima e norma capital vital, não podemos dizer isso de fato e verdade. E tristemente incorremos no engano das redes sociais, como fim em si mesmo, para uma irreal conexão com a vida. Por tal modo, observo o quanto o universo da fé, das crenças, dos idealismos, das adorações, do místico, do sobrenatural, das instituições religiosas incorporam as práticas do imediato, do já, por oferecer uma suposta relação ou encontro com, vamos, aqui, dizer, Deus, sem a questão da permanência, do vínculo, do compromisso, de se comprometer com o outro, de ir a busca da dignidade, como valor ideal e absoluto, mormente não alcançado, neste plano de imperfeições, mas indispensável para os demais anseios por liberdade, por solidariedade, por fraternidade, por respeito e decência. Aliás, aproveito a oportunidade e observo o quanto os, agora, os mais recentes chamativos adotados, por muitos horizontes evangélicos, com o titulo de ‘’doze dias de clamor, de oração, de busca, e sei lá mais o que, para doze meses de bênçãos. Pronto, de imediato, percebe – se o deslocamento de pessoas, tão somente, a procura da minha benção, da minha resposta, da minha virada de mesa, da minha vitória e, depois disso, retomam suas dimensões de anônimos e crédulos ao individualismo e a convicção de qualquer traço ligado a tradição se configura como uma perda de tempo. O interessante desses cultos sempre passa e perpassa por levar as pessoas a uma espécie de jogo das escolhas, porque pode optar por qual culto participará e o tema. Agora, observei como apreciam o texto de Gênesis 12. 1 – 3 e se esquecem de que a trajetória de Abraão visualizou atingir outras pessoas e não permanecer restrito a atender suas demandas. Lamentavelmente, doze dias disso, daquilo e acolá, como se a presença da Graça, simplesmente, tivesse serventia, em tal ciclo, e, após seu consumar, se retira de cena, porque há muito a fazer no cotidiano e já basta as tensões, as ambiguidades, as oposições, os dissabores, as perdas e as negativas dessa vida. Para piorar a situação, os enredos de um ser mais parecido com um distribuidor de favores, sem nenhuma exigência, como a exigência feita a Abraão de respeito ao outro e não ir a direção das práticas de uma religiosidade, de uma magia, de ritualismos, de cerimoniais, de oferendas a deuses, hoje, lideranças personalistas carismáticas, tem sido sua tônica. Seja no denominado meio pentecostal ou neopentecostal, eis uma enxurrada de profecias, de promessas, de uma redução da Cruz de vida e esperança, como se fosse um amuleto e com prazo de validade. Quão bons e benéficos serião, se arriscássemos, doze meses de maior entrega, em favor do outro, em favor da vida, em favor da humanidade; doze meses de maior e mais efetiva abertura ao diálogo, a comunicação, ao encontro, ao ouvir, ao sentar e permitir ao Espírito Santo interceder, por nós; em favor de antes de se falar e defender princípios (como da honra, de uma igreja com propósitos, de orações de fogo, de arrebatamentos), assumir nosso papel de respeito, de um amor prático e coerente, a começar, com relação aos da família da fé, segundo Gálatas 06.10b; em favor de uma leitura simples e séria da palavra, ao qual vise a justiça e o direito, a misericórdia e a compaixão, a esperança e a tolerância. Sinceramente, talvez essas palavras não agradarão a muitos, entretanto, sejamos transparentes, honestos, limpos e sem sublimações, refinações, enfeites e encarar a verdade de os resultados desses doze dias para doze meses não tem provocado um dos pontos de expressão do evangelho, ou seja, vidas mais humanas, mais voltadas a vivenciar o chamado de Cristo. Paz e bem
Postar um comentário