Atalho do Facebook

FICAMOS ALEGRES COM SUA VISITA

ESPERAMOS, QUE COM A GRAÇA SANTIFICANTE DO ESPIRITO SANTO, E COM O DERRAMAR DE SEU AMOR, POSSAMOS ATRAVÉS DESTE HUMILDE CANAL SER VEÍCULO DA PALAVRA E DO AMOR DE DEUS, NÃO IMPORTA SE ES GREGO, ROMANO OU JUDEU A NOSSA PEDRA FUNDAMENTAL CHAMA-SE CRISTO JESUS E TODOS SOMOS TIJOLOS PARA EDIFICACÃO DESTA IGREJA QUE FAZ O SEU EXODO PARA O CÉU. PAZ E BEM

AGRADECIMENTO

AGRADECEMOS AOS NOSSOS IRMÃOS E LEITORES, POR MAIS ESTE OBJETIVO ATINGIDO, É A PALAVRA DE CRISTO SEMEADA EM MILHARES DE CORAÇÕES. PAZ E BEM

terça-feira, 29 de março de 2016

Eu servo obediente....! Será ?


“Eu não sei lidar com os músicos da minha paróquia!”, disse o padre. Já perdi a conta de quantas vezes ouvi este tipo de reclamação. Muitas vezes padre e ministério não se entendem. Parecem querer coisas diferentes, terem visões distintas sobre a liturgia e o modo como a música pode contribuir para ela. Com certa frequência vi desentendimento e intolerâncias. Esta distância entre padre e leigo/músico pode surgir em uma palavra mal compreendida ou mesmo quando dita de forma pouco clara. O caminho de restauração da unidade paroquial é em alguns casos, longo e dolorido. Quem tem razão? Pouco importa. Se for verdade que o amor tem suas próprias razões, é verdade também que o amor é razão de tudo o que somos e fazemos pastoralmente. Todo nosso serviço nasce do amor. E o amor não escolhe hora ou jeito de se dar. Amor verdadeiro se entrega por completo, por inteiro no tempo e no espaço da vida. Ao longo de muitos anos servindo em missas e grupos de oração, aprendi que o caminho para a unidade e serviço requer abnegação. Requer deixar de lado a discussão do momento, o argumento do convencimento. Convence-se não pelas palavras mas pelo exemplo de obediência, generosidade e mansidão. “Mas o padre não aceita nossas sugestões!”, exclamam os jovens ao longo dos anos por milhares de paroquias pelo Brasil. Meu conselho? Permaneçam sugerindo, estudando e contribuindo. Mas, sobretudo, permaneçam obedecendo. Se virá o reconhecimento externo ou não, eu não sei. Mas com certeza sua vida interior se abrirá, se alargará. Na medida do amor da sua obediência, por mais custosa que lhe seja. A obediência é um caminho de santidade seguro. Obediência não é omissão ou descaso. Obediência é um reconhecer em Deus o governo das nossas vidas. Mesmo que ignoremos o destino, mesmo que aquele que guia se ensurdeça às nossas vozes. Obedecer é curvar-se para elevar-se. Ou melhor: ser elevado. Obedecer é a justa medida do serviço por amor. E o amor não cansa e não se cansa, como nos lembra São João Da Cruz! Paz e bem
Postar um comentário